20 de fevereiro de 2012

disse adeus aos múltiplos,
varreu os cacos da memória
que eram traços mínimos, mas profundos
degraus abaixo dela.
olhou para cima, e na primavera o poeta lhe ofereceu a mão.
a poesia que me vem da alma
agora brota do que resplandesce, quando nós,
sem tempo ou espaço,
louvamos os arautos das dádivas,
daquilo que somos agora atentos – o amor.

Nenhum comentário: