22 de dezembro de 2011

seja

E eu que já nem sei se o meu amor caberia dentro de uma forma tão fixada em outros eus. Nascem espinhos no meu coração, que é para que não me tires daqueles momentos de solidão tão necessários a minha loucura. Não procuras minhas noites. Meus perigos passam despercebidos a ti, por isso dormes em oração a minha claridade, pois só assim me vês. Anoiteço cada dia mais. Sou abissal, e procuro, unicamente o absoluto. Que o hoje se realize.

Nenhum comentário: