16 de outubro de 2011

Que eu seja aquele galho
Que da arvore despencou em desespero
Áspero e seco
E que pelo vento
Correu em direção à vida
Dançou pelos ares
E lá pelas tantas
Encontrou a imensidão
Do mar
E banhou-se!

Nenhum comentário: