22 de setembro de 2011


No templo do sol
Aquece um rio doce
Com margens largas
E horizonte ao sul
Da segunda curvatura
Onde o lençol da noite
Encobre
A luz que é toda
Verdadeira estrela

Nenhum comentário: