26 de agosto de 2011

sob a terra

sufoco, morro lentamente, sem ar, sem luz, e me desfaço junto a terra.
talvez reste algo de mim que germine, vire semente, fruto ou retorne ao nada.
e ainda um breve fio de consciência indaga se é vida, 
o que existe acima do túmulo.

Nenhum comentário: