27 de agosto de 2011

Passou


Não há alimento que entre pela boca.
Na morte, da ilusão dos sentidos
É que existe a eternidade

Nenhum comentário: