6 de agosto de 2011

Labor

É no tempo da matéria finita que me demoro, artífice de mim  mesma, trabalho para transpor a grossa camada de cinzas e lodo que me compõe, esquecida e pequena semente a espera de vir à luz. Não é em vão esse hoje, nem as longas noites negras em que me demoro. 

Nenhum comentário: