11 de julho de 2011

Num trecho do caminho

Era um trecho de calmaria, descanso, ausência, não sabia ao certo. Havia uma distância segura, que não era medida pelo tempo, entre a fonte e o medo. Alguns viam como solidão, tristeza, mas a medida de tantos, agora não fazia sentido, não tocava. Ali, naquele ponto, não pensava certezas, apenas seguia uma música que ouvia no peito, afago. Quando queria o avesso, faltava a poesia. Era a maior proximidade que já houvera, e também a fome. Não seriam respostas, toda aquela luz. Ainda não tinha olhos para ver, naquele trecho do caminho, acostumada as sombras.

Nenhum comentário: