13 de junho de 2011

Nada

No instante seguinte esvazia-se a vontade.
Dá adeus quando desperto.
É a vivência do nada,
que quase não se pode transformar em versos.

Nenhum comentário: