6 de abril de 2011

Dizer

Do lugar onde sou não existe medo.
"Alma dilata" - me disse o anjo da morte.
E me trouxe a poesia do real.

Um comentário:

Ricardo Steil disse...

Vem adentre meu reino
Oh indesejável dos homens
Minha alma não te pertence
Podes levar o corpo
Fazer tremer o corpo
Ranger os dentes
Mas minha alma liberta-se
Espalha-se
Em vogais e consoantes
Ou entre as palavras que surgem
Em frente ao monitor