11 de janeiro de 2011

Valor

Gostaria de não saber do gosto - amargo,
Nem do rosto – lastimoso,
Da morte, que vivo diariamente,
De tudo que em mim, já não tem mais valor,
Nem tampouco sabor.