14 de janeiro de 2011

Outrora era eu

As palavras são o fio condutor do descobrimento.
Quem hoje, mais sabe de mim, nunca me viu, me tocou,
Nem mesmo ouviu minha voz ao longe.
Me descubro em palavras de um século distante,
Em versos recitados numa língua estranha à minha.
Em personagens, velhos, loucos, crianças, deuses que falam da minha vida,
Que falam do meu eu, do qual pouco sei, antes de lê-los.
Inexistente seria, se não fossem as palavras dos que já não estão aqui.
Tenho idade avançada, pois já existia, mesmo antes de existir.
Minha missão é: descobrir pela alquimia das palavras,
O que sou – ontem,
Pois o agora e o amanhã, também passado – já estão escritos.

4 comentários:

Efigênia Coutinho disse...

Olá Sandra Regina Coelho

Aqui estou a convite do escritor Ricardo Steil, para conhecer sua poesia, e já gostei muito.
Apenas eu lhe diria para assinar seus poemas, pois até fiquei na duvida se seria seu, o nome do Blog, não identifica o autor do poema.
Com admiração, Efigenia

SAN DE ALMA BREJEIRA disse...

Obrigada pela visita Efigênia, muito carinhoso seu comentário.
Vou assinar as próximas postagens.
Abraço.

Ricardo Steil disse...

De poema em poema, teu talento surge cada vez mais surpreendente. Nos versos de "outrora era eu", vimos não somente mais um poema assinado pela grande Sandra Regina Coelho, mas a síntese do encontro leitor e autor. Parabéns, que teu sucesso e inspiração continuem crescendo sempre.

qoelheX disse...

Oi Efigênia, entendo sua colocação mas não concordo... a postagem é automaticamente assinada pelo autor e se ele publicar algo que não seja dele, ele que indique a autoria, do contrário será dele e tão somente dele.

Modernidades colega :D, é como diz o texto, descobertas!