16 de novembro de 2010

Tempo

Queria saber do tempo.
Deste tempo que passa por mim.
Deste tempo que passa apesar de mim.
Tempo fugidio.
Tempo não vivido.
Queria saber do tempo que passa,
mesmo quando cerro minhas mãos para contê-lo.
Queria saber do tempo, apenas daquele que se vai.
Queria saber deste tempo e seu paradeiro.
Queria saber deste tempo, ir com ele e nada mais.



Um comentário:

Ricardo Steil disse...

Sobre este poema, comentarei pessoalmente. Sério mesmo. Poeminha simples, hum-hum, sei, sei. Obs: pensastes que eu não iria notar a pegadinha oculta nele? Eh Eh, bjs.