3 de novembro de 2010

Poema-Morte

A morte chega cedo. É o prefácio do livro do poeta.
Segue também nos rodapés e entrelinhas.
Sempre estive as voltas com a morte, ela ceia comigo há tempos.
Morte amiga, antiga, viva. Livro velho de cabeceira.
Creio que a morte é tão vida quanto a vida.
Sei disso porque vivo e morro todos os dias, na mesmíssima intensidade.

No fundo, nem sei se tal morte existe, assim, tal qual me dizem que existe,
ou se é apenas irmã da vida, seu verso seguinte.
Saber da morte é tão doloroso quanto buscar o próximo verso de um poema triste.
A diferença é que há poemas sem fim.
Para a vida não há fim, por isso o verso triste da morte,
que é a própria melodia da vida, costurada pelo artífice do mundo,
da qual sabemos apenas alguns versos sem rima.
O livro da morte-vida é cerrado para os últimos capítulos.
Daí a dúvida estar para a morte, assim como para a vida, a certeza dos versos já lidos.
E tendo lido (e escrito) alguns versos do meu velho livro de cabeceira, creio que a dúvida é a morte – com seus versos tão vivos e incertos quanto o que a antecede.

5 comentários:

Ricardo Steil disse...

Versos sobre a morte...
Versos sobre o término...
Mas que remetem a beleza
Da vida.

qoelheX disse...

Dae Marco Antônio,

Desencana negu,viva e deixe morrer...

by Cleópatra

Teacher's Pet disse...

Raul seixas cantaria - "Vou te encontrar, vestida de cetim, pois em qualquer lugar esperas só por mim, e no teu beijo, provar o gosto estrenho, que eu quero e não desejo, mas tenho de encontrar... Vem, mas demore a chegar eu te detesto e amo Morte, Morte Morte que talvez seja o segredo dessa vida..."

Eu não consigo definir de maneira melhor...

A Morte pra mim tem um rosto suave e frio, eu a temo, mas flerto com ela...
O melhor retrato já feito dela talvez seja o que aparece nesse link... Eu a imagino assim.

http://www.devin.com.br/wp-content/uploads/2008/12/toyl_poster.jpg

qoelheX disse...

Se a parada é catárse, essa música ae é pra cortar os pulsos!

http://www.youtube.com/watch?v=8MpG2IV9QuY

Edmar disse...

Belíssimo texto, adorei o uso das palavras, e a beleza de como trata um tema tão doloroso.
Bjos.