28 de agosto de 2010

madrugada dessas...

são três horas da madrugada de um dia qualquer
e essa lua imensa que adentra meu quarto
através da janela entreaberta
irrompendo meu sono inquieto
(tenho pra mim ser ela a causadora do meu sono inquieto)
não pede licença
não se anuncia
não bate à porta
simplesmente está ali
me compele a olhá-la de perto
pede atenção
é legítimo seu apelo
quer mostrar-me algo dentro de mim:
a semente que germina, a flor que nasce frágil,
o ciclo que se renova
a fertilidade, o desejo, o ardor da vida
a intimidade
os caminhos da entrega...
....de certo que não é um dia qualquer...
.... de certo que já não sou a mesma, mas cada vez mais EU mesma!

Nenhum comentário: